Pular para o conteúdo principal

TÃO LONGE, TÃO PERTO.

LEGIÃO URBANA. Que país é este. 1978-1987. EMI, 1987.

Em nosso país, a década de 1980 serviu de palco para grandes mudanças políticas e sociais. Os militares haviam devolvido o comando do Brasil ao setor civil e Tancredo Neves havia sido eleito presidente da República pelo Colégio Eleitoral. Entretanto, faleceu antes de sua posse. Seu vice-presidente, José Sarney, “o protótipo do político ao velho estilo brasileiro”[1], assume o comando do país e lança sucessivos planos econômicos, durante seu mandato, com a intenção de debelar a grave crise econômica que assolava o Brasil.
O “milagre econômico” dos anos 1970 tinha dado lugar à “década perdida” da década de 1980. As manchetes dos jornais estampavam em letras garrafais:  inflação, desemprego e recessão.

O rock, estilo musical contestador, serviu como catalisador das aspirações, frustrações e sentimentos da juventude da época. Em dezembro de 1987, quando “a inflação acumulada no ano chegou a 365,99%, a Legião Urbana registrou em disco uma velha canção”[2]: Que país é este.

Segundo o encarte, que acompanhava o LP, Que país é este nunca fora gravada antes “porque sempre havia a esperança de que algo iria realmente mudar no país, tornando-se [...] totalmente obsoleta”[3]. O fim do regime militar e a chegada da Nova República traduziam esta esperança de mudança, o que tornaria a mensagem da canção temporal e ultrapassada.

Entretanto, mesmo passados mais de trinta anos de sua criação, a temática elencada pela canção está mais atual do que nunca. O discurso de perplexidade com a situação de corrupção vigente e descaso com o social que permeou a criação de Que país é este, ainda durante o tempo de existência da banda punk Aborto Elétrico, no distante ano de 1978, só lançada comercialmente em 1987, poderia servir de discurso hoje. A sua contemporaneidade pode ser associada tanto à sua época de criação, fins dos anos 1970, quanto ao momento de seu lançamento como produto comercial, meados dos anos 1980, bem como o momento atual, repleto de embates ideológicos e casos de corrupção estampando as manchetes jornalísticas.

Ao ser lançado como produto em 1987, o disco redirecionava sua pergunta àquele recorte temporal. Mesmo tendo sida escrita em outro contexto (1978), Que país é este serviu perfeitamente como indagação e perplexidade de uma juventude diante do fracasso da Nova República.

À época do lançamento de Que país é este,  a crítica musical classificou a música como um “som cru, abrasivo”[4] , que nos remetia a sonhos falazes, ou seja que nos levava à ilusão. Como se o sonho da redemocratização houvesse se transfigurado em pesadelo.

Os atores haviam mudado, os problemas não. João Figueiredo, último  presidente-general havia passado o poder para José Sarney. Os militares voltaram aos quartéis e o setor civil não foi capaz de resolver os problemas financeiros em que se achava mergulhado o Brasil.
Em fevereiro de 1986, Sarney lançava o Plano Cruzado, numa tentativa de conter a inflação, congelando preços e salários[5], trocando a moeda nacional de cruzeiro para cruzado, cortanto três zeros, ou seja, 1.000 cruzeiros se converteriam em 1 cruzado. As donas de casa se transformaram nas “fiscais do Sarney” e a inflação foi dominada na marra.

Entretanto, o Plano Cruzado não havia passado de estelionato eleitoral. Nas eleições realizadas em 1986, a grande maioria dos votos foram dados aos candidatos do PMDB, partido de Sarney, o qual elegeu a grande maioria de governadores dos estados, além da maioria na Câmara dos deputados e do Senado[6].

Horas após o resultado das eleições, o presidente da República autoriza o descongelamento de preços, pois faltava de tudo nas prateleiras dos supermercados, o que causava grandes filas para se conseguir comprar produtos alimentícios. Alguns comerciantes, inclusive, vendiam seus produtos com ágio[7].

Com a inflação de volta – em 1987 seria de 415% e em 1988 chegaria a 1.037% - o descongelamento dos preços ao consumidor não foi eficiente para combater a falta de produtos. Muito pelo contrário, com medo dos repetidos reajustes, as pessoas compravam para estocar.

Por ser um registro de uma época conturbada nos cenários político e econômico, tal como os dias atuais, e ter funcionado como um catalisador das aspirações, frustrações e anseios de uma geração, Que país é este. 1978-1987 é um disco que você tem que ouvir antes de morrer.




[1] SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Castelo a Tancredo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. p. 484.
[2] ALEXANDRE, Ricardo. Dias de luta. O rock e o Brasil dos anos 80. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2013. p. 312.
[3] QUE PAÍS É ESTE. [Encarte]. Rio de Janeiro: EMI-Odeon, 1987. p. 2.
[4] DUARTE, Arthur Couto. Que país é este: 1978 - 1987. Bizz, São Paulo, n. 31, p. 21, fev. 1988.
[5] RAMOS, Eliana Batista. Rock dos anos 80: A construção de uma alternativa de contestação juvenil. Dissertação para obtenção do título de mestre em História Social. São Paulo: PUC, 2010. p. 69.
[6] Ibidem, p. 70.
[7] ROCHEDO, Aline do Carmo. Os filhos da revolução: A juventude urbana e o rock brasileiro dos anos 1980. Dissertação para obtenção do título de mestre em História Social. Niterói: UFF, 2011. p. 81.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SANTUÁRIO DO ROCK
THE CULT. Love. Beggars, 1985.
Em 1985, a banda inglesa The Cult, lançou seu segundo álbum. Recheado de referências e influências do Led Zeppelin, Love veio ao mundo, ressuscitando a psicodelia de Hendrix e as guitarras de Page, acompanhadas pelo vocal a la Plant do jovem vocalista Ian Astbury.
Na época, a banda foi saudada como a “mais vital das ilhas britânicas” (ESCOBAR, 1987, p. 34) e o álbum Love foi chamado de “uma aventura surpreendente” (BORBA JUNIOR, 1986, p. 18).
O fato é que em suas dez faixas, a banda trata de assuntos ligados à natureza (influência da atração de Astibury pela cultura ameríndia) como em Brother Wolf sister moon, drogas em Nirvana e espiritualidade em Hollow man.
O ponto alto, sem dúvida, é a faixa She sells sanctuary (vale a pena ver o clip oficial do single, presente na nossa playlist), onde o vocal de Astibury duela com os riffs da guitarra de Billy Duff, resultando em uma música de vibe avassaladora. Puro blues metaleiro dos anos 1980. A ba…
REAGAN, GUERRA FRIA E VIETNÃ.
BRUCE SPRINGSTEEN. Born in USA. CBS, 1984.Quando o jornalista Jon Landau escreveu “eu vi o futuro do rock, e ele se chama Bruce Springsteen”, na década de 1970, poucos acreditaram. O fato é que Jon Landau acabou tornando-se amigo, produtor e empresário de The Boss. Alguns anos após a famosa resenha, Landau e Springsteen estariam produzindo aquele que seria lembrado como o álbum definitivo: Born in USA. Naquele tempo o mundo vivia o clima da guerra fria, com a polarização do poder mundial nas mãos dos Estados Unidos e União Soviética. Na época do lançamento do disco, Ronald Reagan, presidente norte-americano de então, tentou transformar o trabalho de Springsteen em um libelo pela democracia, nitidamente pró-States. O marketing funcionou, e o que pensamos, inicialmente, sobre Born in USA é que o disco não passa de discurso patriótico exasperado. Roberto Carlos, contaminado por esse sentimento, lançou pouco tempo depois, uma versão brazuca, chamada Verde amare…
É UMA BRASA, MORA!
ROBERTO CARLOS. É proibido fumar. CBS, 1964.
Esqueça o Roberto Carlos cafona, que só usa azul e branco, interpretando seus sucessos radiofônicos bregas, exaltando a beleza da mulher pequena e dizendo “Esse cara sou eu”.
Na década de 1960, com a ascensão dos Beatles na Europa e Estados Unidos, surgiu no Brasil o estilo Iê Iê Iê (aportuguesamento de Yeah Yeah Yeah, presente na letra de She loves you, sucesso do quarteto de Liverpool).
O maior nome desse estilo musical no Brasil, mais tarde rebatizado de Jovem Guarda, foi justamente esse senhor septuagenário.
Roberto Carlos, fã incondicional de João Gilberto, tentou, em início de carreira, seguir os passos do mestre, lançando o LP Louco por você, em 1961, que se mostrou um desastre de vendas. Nesse disco, Roberto Carlos canta as dores do coração, assim como os astros e estrelas da década de 1950, lembrando muito o estilo samba-canção. Algo que a juventude daquela época não queria ouvir. Os jovens de então já estavam …